Walking tour em Sultanahmed, o centro histórico de Istambul

Walking tour em Sultanahmed, o centro histórico de Istambul

Gostou? Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Sultanahmed é o lugar para estar em Istambul!

Ali ficam concentradas as mesquitas e os momunentos mais importantes de Istambul. Basta dar alguns passos para ficar impressionado com a beleza dos quase 2.000 anos de história da cidade. E o melhor jeito de explorar o centro histórico é mesmo a pé. As ruas são planas e a distância entre os principais monumentos é curta.

Palácio Topkapi

Se a caminhada for com guia, melhor ainda. Assim, é possível saber os detalhes da história e, principalmente, as curiosidades dos bastidores, ou melhor, dos haréns, que era a área destinadas às mulheres do sultão.

Essa, aliás, foi a nossa escolha. Optamos pelo o walking tour privado da agência Bonita Tour e só temos elogios a fazer. A agência é local, mas uma das funcionárias, a Fernanda, é brasileira e fizemos todo o contato com ela em português, o que facilitou bastante.

O passeio começou cedo. Às 8:30, o Serah, nosso guia turco, que fala bem português, já estava no hotel. Estávamos hospedados em Sultanahmed e o passeio começou em alto estilo na impressionante Basílica de Santa Sofia.

A Basílica de Santa Sofia, também chamada de AyaSofia ou Hagia Sofia, foi erguida no ano 535, durante o Império Bizantino, para ser a Catedral de Constantinopla. O curioso é que, no século XV, quando Constantinopla foi conquistada pelo Império Otomano, a igreja foi transformada em Mesquita. A partir de então, foram adicionados os minaretes (torres de onde são anunciadas as cinco chamadas diárias à oração) e outros símbolos islâmicos. Hoje, o local foi transformado em museu.

Basilica de Santa SofiaPalácio Topkapi

O tamanho da AyaSofia é impressionante! Até hoje é uma das maiores “basílicas” do mundo. Mesmo em obras de restauração, dá para notar que seu interior é riquíssimo. E o guia nos chamou atenção para várias curiosidades. Como, por exemplo, o fato de as imagens e mosaicos de santos católicas terem sido cobertos por gesso, já que no islamismo é proibido cultuar imagens.

Basilica de Santa Sofia

Ele também mostrou que o antigo altar da igreja foi substituído pelo mihrab, elemento arquitetônico que indica a direção geográfica de Meca e, portanto, a direção em que os muçulmanos devem adotar durante as orações. O interessante é que o mihrab não fica exatamente no centro da antiga igreja, mas sim um pouco mais para a direita, demonstrando claramente que foi acrescentado posteriormente à construção.

Palácio Topkapi

Em seguida, visitamos o Palácio de Topkapi (Topkapı Sarayı), que foi o lar dos sultões otomanos entre os séculos 15 e 19. O lugar é deslumbrante, a começar pelos jardins. Por pouco não vimos as tulipas que enfeitam o jardim. (Aliás, descobrimos durante o tour que as tulipas são originárias da Turquia, apesar de acharmos equivocadamente que eram holandesas). Mesmo assim, as rosas vermelhas não nos decepcionaram.

Palácio TopkapiPalácio Topkapi

O palácio é enorme e tem vários pavilhões. Os cômodos são abertos à visitação e basta dar uma olhadinha para compreender a riqueza dos sultões.

Palácio TopkapiPalácio TopkapiPalácio TopkapiPalácio Topkapi

A área mais famosa do Palácio é, sem dúvida, o hárem. Ali eram desenvolvidas as atividades domésticas do palácio e a organização ficava a cargo da mãe do sultão, que era mais poderosa do que qualquer esposa. As esposas e concumbinas do sultão residiam no harém e não tinham acesso aos demais ambientes do Palácio. A maior parte das mulheres chegava lá como prisioneiras de guerra ou escravas comercializadas. Eram tantas mulheres, que o harém chegou a abrigar mais mil! Com tanta mulher reunida, os funcionários do palácio – os eunucos – eram castrados para garantir que a prole fosse mesmo de filhos do sultão.

Impossível deixar que imaginar as intrigas e lutas pelo poder que ocorriam por ali. Afinal, todas mulheres queriam se tornar a favorita do sultão e garantir que um de seus filhos se tornasse o grande herdeiro.

Palácio Topkapi

Durante a alta temporada (de maio a agosto), a visitação ao palácio fica concorrida. Há filas para comprar o ingresso de entrada (45 TL, cerca de R$ 47, por pessoa, para visitar a área principal e o harém) e também para ingressar em alguns cômodos, como as salas onde ficam guardados os tesouros dos sultões. Como estávamos com guia, não ficamos na fila para comprar ingressos e otimizamos nosso tempo no palácio, pois fomos diretamente aos ambientes mais interessantes.

Palácio de Topkapi

Mesmo com o Palácio lotado de turistas, a parte boa é que dá para descansar com vista para o Estreito de Bósforo! É demais!

Palácio de TopkapiPalácio TopkapiPalácio Topkapi

Quando a fome apertou, seguimos para o restaurante Tria Elegance. O almoço já estava incluído no valor do tour. Confesso que estava um pouco temerosa, pois almoço pré-programados por agências podem ser uma furada. Mas não. Aliás, ocorreu justamente o contrário: o almoço foi sensacional! O restaurante fica em uma rua chamorsa e é super agradável, com mesinhas na calçada.

IstambulIstambul

Experimentamos pratos típicos turcos e adoramos tudo, a começar pela apresentação dos pratos. E o cordeiro estava um espetáculo!

Istambul

De lá, continuamos o passeio pela Mesquita Azul (Sultanahmet Camii). A Mesquita fica posicionada bem em frente à Basílica de Santa Sofia e a “competição” entre as duas é antiga. O sultão Ahmed I queria construir uma mesquita maior, mais imponente e mais bonita do que a Igreja de Santa Sofia. Se ele conseguiu, deixo a decisão para cada um. Porém, posso dizer que a praça que circunda a AyaSofia e a Mesquita Azul é, sem dúvida, uma das mais bonitas do mundo!

IstambulIstambulIstambul

Para ingressar na Mesquita Azul, não é necessário pagar. Entretanto, há horários específicos para visitação, justamente para não atrapalhar as orações. Também há regras rígidas quanto às vestimentas: nada de roupas curtas. E, para as mulheres, lenço cobrindo a cabeça e braços. Na hora de entrar, é necessário retirar os sapatos e fazer silêncio.

IstambulIstambul

Os mulçumanos, como nos chamou a atenção o guia, antes de entrarem nas mesquitas, se dirigem aos lavatórios localizados na parte externa das mesquitas, para se purificarem. Lá eles sentam, lavam os pés, o rosto, os braços e as mãos. Só depois desse ritual é que eles estão prontos para começar as orações.

Istambul

No interior da Mesquita não há bancos ou imagens religiosas. As orações são feitas de joelhos com a cabeça voltada para a direção geográfica da cidade de Meca. A beleza da Mesquita Azul fica por conta do contraste entre o gigantesco tapete vermelho todo bordado com azulejos azuis e vitrais azuis, que dão nome à mesquita. É belíssimo!

Istambul

Depois de uma passada rápida pelo Hipódromo (local onde ocorriam as corridas de bigas e hoje abriga um praça com direito até a um obelisco datado de 1490 a.C. trazido do Egito), decidimos alterar os planos e visitamos a a Cisterna da Basílica (Yerebatan Sarnici). Aliás, quem leu o último livro do Dan BrownInferno – vai entender a minha curiosidade…. A entrada à cisterna não estava incluída no tour e, por isso, tivemos que pagar o ingresso. O bom é que não ficamos na fila, porque o guia pode comprar o ingresso diretamente no caixa. E ele nos acompanhou na cisterna e ainda contou algumas curiosidades de lá.

Istambul

Nossa última visita foi ao Grand Bazzar (Kapalıçarşı), um dos maiores mercados cobertos do mundo. Se prepare, pois são ruas e ruas com diversas lojinhas vendendos doces, especiarias, jóias e outros produtos típicos. Dá vontade de comprar tudo! Mas lembre-se de comparar os preços e pechinchar sempre.

Istambul

Pontos altos do tour:

– Como fizemos o tour privado, o guia ficou por nossa conta. Assim, seguimos no nosso ritmo.

– Não tivemos que enfrentar fila em nenhum dos pontos turísticos, pois que o guia já havia providenciado os ingressos. E olha que, em alguns locais, a fila para comprar ingresso era bem grande.

– O roteiro foi bem flexível. Por exemplo, optamos por reduzir o passeio no Grand Bazaar, para podermos conhecer a Cisterna da Basílica, que não estava incluída no passeio.

– O nosso guia turístico, e principalmente a Fernanda, a brasileira da agência de viagens, foram tão (tão tão) simpáticos que fizemos amizade com ele. Aliás, convidamos a Fernanda outras duas ou três vezes para jantar. Foi super divertido! Ela nos levou a restaurantes onde os locais realmente comem e ainda nos contou um pouquinho de como é viver em Istambul. Essa interação com a Fernanda foi um super plus no walking tour. Adorei!! Recomendo!

 

Pontos negativos:

– O tour começou às 8h30 e terminou por volta de 17h30. Então tem que ter disposição!

 

Informações úteis:

Fizemos o tour com a agência Bonita Tour. O site é http://www.tourbonita.com. O contato pode ser feito pelo email: fernanda@tourbonita.com , em português.

Istambul

O valor do tour privado varia de 60 a 100 euros por pessoa, a depender da época do ano. No preço estão incluídos os ingressos para visita aos monumentos pagos, além do almoço (sem bebidas) e guia em português. O walking tour inclui visita à Mesquıta Azul, Basílica Santa Sofıa, Hipódromo, Palácio Topkapı e Grand Bazaar.

 

Gostou? Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

4 respostas

  1. Adorei seu post, estão muito linda as fotos, lendo dá uma vontade louca de voltar no tempo e estar na Turquia. Excelente!!

    Responder

    Anna Bárbara Respondeu:
    agosto 24th, 2014

    Oi Solange!!
    Maior saudade, ne?! A Turquia está na minha lista de lugares que quero voltar!! Adoreeei essa nossa viagem!!! 😀
    Bjs, Anna

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias
Posts Recentes