Esquibunda em Bariloche

Esquibunda em Bariloche

Booking.com

Gostou? Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Um dos “esportes de inverno” mais procurados por brasileiros em Bariloche é o esquibunda, chamado de trineo pelos argentinos.

A ténica é muito parecida com o esquibunda nordestino. Há umá espécie de trenó de plástico onde você senta e desce deslizando montanha abaixo. A diferença é que o trecho de descida é sinuoso, exigindo que você faça curvas para continuar no caminho.

Esquibunda em Piedras Blancas

Foto: Arquivo pessoal

O esquibunda pode ser feito no Cerro Catedral ou em Piedras Blancas. Optamos por Piedras Blancas e acabamos fechando uma excursão com a empresa Dasec Viajes & Turismo, na utópica esperança de ser um bom negócio fazer uma excursão. Pagamos $200 pesos por pessoa, valor que incluía transporte em van, um trenó, a utilização das pistas e um passe para utilizar a aerosilla (teleférico) por seis vezes.

O problema é que no final o barato acabou saindo caro. A van parou em diversos hotéis para pegar todos os 14 passageiros. Demoramos quase uma hora para fazer um trajeto que, em geral, demoraríamos de 15 a 20 minutos. Chegamos lá por volta de 11:15, horário em que as pistas de esquibunda estavam lotadas! E o retorno da excursão estava previsto para 14:30, o que nos restou pouquíssimo tempo para aproveitar. Sequer conseguimos utilizar todo o passe de seis subidas-descidas.

Fazendo o passeio por conta própria, o valor não fica tão diferente do preço da excursão e tem a grande vantagem de você poder escolher a hora de ir e voltar. O preço da locação do trenó e da utilização das pistas com um passe de seis subidas-descidas (paquete trineo, temporada 2010) é de $150 pesos por pessoa. Um remis até Piedras Blancas custa, em média, uns $60 pesos (cada trecho), dependendo da distância e do trânsito.

No dia em que fomos, nevava demais. A paisagem estava completamente branca!

Não tivemos nenhum problema em subir o morro até Piedras Blancas de van. Porém, se for até lá de remis ou táxi, é bom verificar se o carro tem pneu próprio para a neve, para não correr o risco de ficar pelo caminho…

Esquibunda em Piedras Blancas Esquibunda em Piedras Blancas

Fotos: Arquivo pessoal

Chegando ao parque, há um restaurante/cafeteria bem simples, além de uma lojinha que aluga equipamento de neve.

Piedras Blancas

Esquibunda em Piedras Blancas

Fotos: Arquivo pessoal

Minha dica é chegar lá com todo o aparato necessário para esportes de neve: tênis/bota impermeável, meia térmica, calça impermeável, segunda pele, luva de neve, óculos para neve e gorro ou protetor de ouvido. Uma roupa inadequada pode estragar completamente o passeio! Não economize! Compre ou alugue itens de qualidade na cidade. Os preços da lojinha de Piedras Blancas são quase extorsivos.

Por um descuido, eu e minha amiga Tati, que me acompanhava no passeio, chegamos lá sem bota impermeável, luvas, óculos de neve e gorro. A solução foi alugar o material que faltava. Paguei absurdos $50 pesos pelo aluguel de óculos de neve, quando na cidade custavam cerca de $70 (para comprar). E olha os óculos alugados eram de péssima qualidade. Nem consegui usá-los, de tanto que embaçavam.

Até tentei descer sem as luvas de neve, usando uma simples luva de lã. Mas como é necessário encostar as mãos na neve para frear, minha mão congelou na primeira curva. Aí não tive escolha, era comprar uma luva ou desistir do passeio!

Equipamento pronto, é só pegar o trenó e seguir em direção das aerosillas que te levam até o alto do morro.

Esquibunda em Piedras Blancas

Esquibunda em Piedras Blancas

Fotos: Arquivo pessoal. Detalhe das aerosillas.

Chegando lá no alto há alguns fotógrafos esperando para tirar fotos em alguns cenários já montados. Escolhemos o cenário do boneco de neve.

Esquibunda em Piedras Blancas

Foto: Arquivo pessoal

Depois é só escolher uma das quatro pistas existentes para descer e se aventurar montanha abaixo. A única explicação que recebemos foi a de que não era aconselhável frear com os pés, para evitar qualquer lesão nos joelhos, devendo frear e fazer as curvas com o auxílio das mãos.

Mapa pistas Esquibunda

Reprodução. www.piedrasblancasbariloche.com/lugar.html

Na teoria, é super fácil. Mas na prática…

Não sei se foi azar ou imperícia, mas consegui fraturar o cóccix logo na primeira descida (e no primeiro dia em Bariloche). Nevava demais, não conseguia ver nada com os óculos embaçados e minhas mãos ainda tinham congelado por falta das luvas inadequadas. Para piorar, a pista tinha muitos morrinhos de neve e, em um deles, o trenó foi para um lado e eu fui para o outro. Caí bem de bunda no chão! Fiquei toda dolorida, mas não imaginei que o tombo tinha sido tão sério e continuei descendo no esquibunda. Aliás, felizmente, consegui esquiar todos os outros dias e isso não estragou a viagem… Mas, de volta ao Brasil, tive que tirar licença médica e fazer várias sessões de fisioterapia.

Sem querer assustar ninguém, os tombos são inevitáveis e a utilização de todo o equipamento de neve é mais do que essencial. Por via das dúvidas, leve gelol, pomadas de arnica, band-aid, enfim, uma farmacinha completa.

Gostou? Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias
Booking.com
Posts Recentes