Café da manhã sem hora para começar (e terminar), espaços charmosos e clima de romantismo no ar. Esses são alguns dos itens que fazem da Divina Pousada uma ótima opção de hospedagem em Pirenópolis, especialmente para casais.

Muito embora não fique localizada no burburinho da cidade, a Divina Pousada não deixa a desejar. São apenas nove apartamentos, todos localizados próximo à sossegada piscina, com um atendimento super personalizado.

Divina PousadaDivina PousadaDivina PousadaDivina Pousada

As espreguiçadeiras da piscina são mais do que convidativas. São daqueles tipo que você não tem vontade de levantar para fazer mais nada…. No máximo, levantar para tomar uma cervejinha (ou espumantes, para os mais chiques…) à beira da piscina!

Claro que o café da manhã, preparado na hora, também pode ser servido à beira da piscina.

Divina Pousada

Os quartos são espaçosos e tem visual moderno e clean. Dentre os mimos, cama king size, bombons na cama e amenities da L’occitane no banheiro.

Divina PousadaDivina PousadaDivina PousadaDivina Pousada Divina PousadaDivina Pousada

O atendimento merece um capítulo à parte. Os funcionários são extremamente atenciosos e fazem questão de agradar. Quando estivemos lá, um funcionário da cozinha teve algum problema de saúde e, por isso, eles não teriam como servir o almoço na pousada naquele dia. Prontamente, a funcionária nos indicou restaurantes que tinham o serviço de entrega. Depois de escolhermos, ela mesmo telefonou para o local e fez o pedido. Quando a comida chegou, ela se encarregou de colocar a comida em vasilhas da própria pousada, para melhorar a apresentação e tirar a “cara de marmita”. E tudo ela fez por iniciativa própria. Foram pequenos detalhes que fizeram toda a diferença!

Enfim, gostamos demais.

A pousada é ideal para casais que querem curtir momentos de sossego. Por conta disso, a pousada não aceita crianças.

Pontos altos:

- Quartos espaçosos e espaços com decoração super charmosa.

- A área da piscina é bem aconchegante.

- O cardápio servido na pousada e o atendimento não deixam a desejar.

Pontos negativos:

- O hotel fica localizado fora do burburinho da cidade. Para chegar, por exemplo, à Rua do Lazer, onde ficam os principais bares e restaurantes, é aconselhável ir de carro.

 

Os valores das diárias começam em R$ 200,00.

Pois é! Mãe, estamos na CBN!!! kkkkk

CBN

Vai ao ar hoje, às 13h30, uma entrevista que o Diego Paiva concedeu para a coluna “Na Rede”, do programa de rádio Revista CBN. Ele conta um pouco da história do Nós no Mundo: como surgiu a ideia de escrever o blog, alguns perrengues de viagem, dicas para viajar leve e também comenta sobre a nossa interação com os leitores.

Vale a pena conferir, ou melhor, escutar!!!

Atualização

 

Para quem não conseguiu escutar ao vivo, a entrevista está disponível na página da CBN! Clique aqui para acessar. :D

 

É isso mesmo que você leu. O Tivoli Gardens foi inaugurado em 15 de Agosto de 1843, o que faz dele o segundo parque de diversões mais antigo do mundo em funcionamento!

Tivoli Garden

Esse ano o parque completou 170 anos de portas abertas, só perdendo em antiguidade para o também dinamarquês Parque Dyrehavsbakken – ou só Bakken, como preferir -, que foi inaugurado em 1583 e segue em funcionamento.

Tivoli Garden - Entrada Principal

Tivoli Gardens – Entrada Principal

O Tivoli é reconhecido internacionalmente por ser a fonte de inspiração do Walt Disney para a criação da Disneylândia, na Califórnia. Além de ser o lugar mais visitado por turistas anualmente, em toda a Dinamarca, com uma média de 4 milhões de visitantes de várias partes do mundo.

Tivoli Garden - Entrada

Tivoli Gardens – Entrada

Localizado no coração de Copenhague, a uma curta distância a pé de diversos pontos de interesse na capital dinamarquesa e de frente para a estação central de trens e metrô, o local tem fácil acesso para pessoas que venham de qualquer ponto da cidade.

Parte da fama do parque vem da sua montanha russa de madeira, construída em 1914 – uma das mais antigas em operação – e pelo carrossel mais alto do mundo, chamado The Star Flyer que chega a 80 metros de altura, proporcionando uma vista panorâmica incrível da cidade.

Tivoli Garden - The Star Flyer

Tivoli Gardens – The Star Flyer

Tivoli Gardens - Brinquedos Radicais

Tivoli Gardens – Brinquedos Radicais

Tivoli Gardens - Torre Chinesa e Montanha Russa

Tivoli Gardens – Torre Chinesa e Montanha Russa

Tivoli Gardens - The Star Flyer

Tivoli Gardens – The Star Flyer

E não pense que esse “Gardens” no nome é à toa. O Tivoli possui uma enorme área verde, com cerca de 21 hectares à disposição dos visitantes. Dá para fazer um picnic no gramado, assistir a algum programa cultural nos palcos a céu aberto, caminhar pelos vários jardins, ou então aproveitar e conhecer um dos restaurantes dentro do parque – são 28 ao todo – com os mais variados tipos de comida.

Tivoli Gardens - Teatro de Pantomima Chinês

Tivoli Gardens -Teatro de Pantomima Chinês

Tivoli Gardens - Palco Principal e Nimb Hotel ao fundo

Tivoli Gardens – Palco Principal e Nimb Hotel

Tivoli Gardens - Apresentação Musical

Tivoli Gardens – Apresentação Musical

Dentro do Tivoli ainda há um hotel boutique chamado Nimb Hotel, que já recebeu personalidades do mundo todo, inclusive o nosso ex-presidente Lula, quando visitava a cidade. Este hotel possui apenas 17 quartos, um bar que conta com a maior adega da Escandinávia e um restaurante, chamado Nimb brasserie, onde tivemos a oportunidade de jantar.

Tivoli Gardens - Nimb Hotel

Tivoli Gardens – Nimb Hotel

Nimb Hotel - Bar

Nimb Hotel – Bar

Nimb Brasserie - Bar

Nimb Brasserie – Bar

Nimb Brasserie - Salão

Nimb Brasserie – Salão

Nimb Brasserie - Salão

Nimb Brasserie – Salão

Nimb Brasserie - Mesa de jantar

Nimb Brasserie

Nimb Brasserie - Entrada vegetariana, com legumes e trufas brancas

Nimb Brasserie – Entrada vegetariana, com legumes e trufas brancas

Nimb Brasserie - Prato principal com carne de porco, pêssego e molho agridoce

Nimb Brasserie – Prato principal com carne de porco, pêssego e molho agridoce

Nimb Brasserie - Sobremesa Crème brûlée

Nimb Brasserie – Sobremesa Crème brûlée

Um detalhe importante: o Tivoli fica aberto apenas na primavera, no verão e em curtas temporadas no Halloween e no Natal. Aliás, assista ao vídeo promocional do Halloween desse ano clicando aqui.  O parque fecha as portas no próximo domingo, dia 27/10/2013 e só reabrirá no período de 11/11/2013 a 31/12/2013. Após essa data, o parque só será aberto ao público novamente no dia 10/04/2014.

Entre o Natal e o Ano Novo, há o Festival de Fogos de Artifício Tivoli, com show de fogos de artifício todos os dias. Deve ser incrível!

Informações úteis:

Tivoli Gardens

Vesterbrogade 3
1630 København V
Phone: +45 33151001
[email protected]

Horário de funcionamento:

Segunda-feira – domingo 10:00-23:00 11/10/2013 – 27/10/2013
Segunda-feira – domingo 11:00-23:00 15/11/2013 – 31/12/2013
Segunda-feira – domingo 11:00-00:00 10/04/2014 – 21/09/2014
Segunda-feira – domingo 10:00-23:00 10/10/2014 – 26/10/2014
Segunda-feira – domingo 11:00-23:00 14/11/2014 – 31/12/2014

Preço:

Adulto: 95 Coroas Dinamarquesas (+/- R$38 em Setembro de 2013).

Crianças menores de 8 anos: entrada gratuita.

A entrada no Tivoli está incluída no Copenhagen Card.

O preço da entrada permite apenas acesso aos jardins. Para utilizar os brinquedos, é necessário pagar pelo passaporte, que custa 199 Coroas Dinamarquesas ( +/- R$80 em Setembro de 2013).

 

Diego Paiva viajou para a Dinamarca a convite do Visit Denmark.

Ontem o Nós no Mundo foi citado na Revista do Correio Braziliense, um dos jornais de maior circulação em Brasília.

A matéria “Destino: Férias” trouxe várias dicas de viagem e citou 4 sites interessantes na hora de escolher o destino, fazendo referência ao Nós no Mundo.

Muito legal esse reconhecimento! Sem dúvida, ficamos muito orgulhosos!! :D

Nós no MundoNós no Mundo

Um trecho da matéria pode ser visto aqui.

Frescuras não faltam na preparação do Kobe Beef, considerada a carne mais famosa, suculenta e cara do mundo.

O prato é tratado como uma verdadeira iguaria japonesa.

Kobe Beef

Existe uma série de regras para que a carne seja considerada o autêntico kobe beef. O gado deve ser proveniente das montanhas da região de Hyogo, no interior do Japão, onde está a cidade de Kobe, que dá nome à carne. E todo o processo de criação do gado é especial. Só para se ter uma ideia, a alimentação do rebanho é à base de cerveja, para deixar a carne mais saborosa. O gado recebe massagens, para dispersar a gordura. Tem até música clássica e acunpultura para deixar as vaquinhas mais relaxadas…

Quando estive no Japão, não resisti à tentação e parei na cidade de Kobe para provar o “ouro negro”, como eles chamam o kobe beef. Não foi nada programado. Fazia a rota de trem de Kyoto a Hiroshima e quando vi que o trem faria uma parada na cidade de Kobe, desci rapidamente sem pensar duas vezes.

Consultei os guias Frommer’s e Lonely Planet (sim, no shinkansen, o trem bala japonês, há wifi!) e escolhi o restaurante Wakkoq, com ótimas referências. O restaurante fica a poucos passos da estação de trem ShinKobe, no terceiro andar do shopping do Hotel Ana Crowne Plaza Kobe.

Logo que cheguei no restaurante a primeira surpresa. O local estava vazio. Ou melhor, deserto. Não havia mais nenhuma alma no restaurante. A experiência me diz para fugir de restaurantes vazios, mas, diante dos elogios do Frommer’s, resolvi ficar. E olha só o que deu…

O ambiente é clássico e elegante. Todas as mesas ficam ao redor de grandes grelhas, onde são preparadas as carnes.

KobeKobe

O grande destaque é o show dado pelo Chef que prepara a carne bem em frente a cada uma das mesas. E tem todo um ritual. Primeiro ele te mostra carne, dando ênfase ao fato de a gordura estar infiltrada na carne, quase que formando desenhos. Logo em seguida, pica um pouco de alho e especiarias e já coloca a carne na grelha.

Kobe

Na sequência, o Chef começa a fatiar os legumes e por aí vai…

Kobe Kobe Kobe Kobe

Quando ele termina a preparação, o resultado impressiona pela apresentação, pela simplicidade e também pela pouca quantidade (rsrs).

É só mesmo a carne com legumes e uma saladinha. Nada de acompanhamentos robustos como risoto, pasta, batata… Fora a saladinha, só mesmo um carpaccio de salmão que servem de entrada.

KobeKobe

E o gosto? Bem, a sensação é de que a carne derrete na boca. Esse que é o grande atrativo do kobe beef foi justamente o que não gostei. Tive a sensação de estar comendo gordura… E ainda sai de lá com fome (rsrs).

É mesmo questão de gosto. E confesso que não gostei do autêntico kobe beef. Será que foi azar? Será que o kobe beef é mesmo esse sucesso que todos falam?!  Não sei dizer, só sei que a conta foi realmente dolorosa, como falam por aí. O prato individual do Kobe Beef Sirloin (contra-filé) de 250g custou 13.700 ienes, cerca de R$ 310,00.

Foi tudo tão rápido, que nem deu tempo de avisar aqui no blog. Duas semanas atrás, fomos convidados para uma press trip – viagem para jornalistas, feita a convite de uma empresa, companhia aérea ou órgão de turismo (nosso caso) – na Dinamarca, com foco na cidade de Copenhague e arredores.

Como a Anna estava de férias na Itália, tive essa “árdua” missão de ir para a Escandinávia representando o Nós no Mundo. Quem nos acompanha no Twitter e no Instagram, pôde conferir um pouco dessa aventura em tempo real.

Dinamarca

Para começar a série de publicações, darei algumas informações mais gerais sobre a viagem e dos lugares visitados. A ideia é postar o máximo de informações e fazer posts de praticamente todas as atrações, restaurantes e hotéis que conhecemos. Foram mais de 2.000 fotos e muitas anotações durante esses 5 dias de viagem, então “senta, que lá vem história”…

Dinamarca

Terra dos Vikings, da Pequena Sereia, do Patinho Feio e da poltrona Egg, a Dinamarca é uma monarquia constitucional localizada no norte da Europa. É um país moderno, que recentemente foi considerado o lugar com a população mais feliz do mundo. Também possui um dos melhores índices de qualidade de vida, segundo ranking da Organização das Nações Unidas (ONU).

A era Viking – de 1000 anos atrás – foi um capítulo importante na fundação do país, tanto que é possível ver muitas referências a esse tempo espalhadas por diversos lugares que visitamos.

Arquitetura e design também são marcas registradas de lá, com grandes nomes reconhecidos mundialmente, como Arne Jacobsen e Verner Panton.

DinamarcaDinamarca

Copenhague é a capital e, atualmente, a maior cidade da Dinamarca. Localizada no leste da ilha de Zelândia, possui um relevo praticamente todo plano, o que facilita – e muito – a locomoção utilizando bicicletas. Para ajudar, há mais de 300 km de ciclovias em perfeito estado de conservação apenas em Copenhague, à disposição de quem quiser usá-las.

Nos últimos anos, Copenhague vem vivendo uma verdadeira explosão de novos restaurantes, principalmente aqueles especializados na Nova Cozinha Nórdica. Entre eles, está o renomado NOMA, considerado por 3 anos consecutivos o melhor restaurante do mundo e que ocupa atualmente a segunda posição do ranking.

DinamarcaDinamarcaDinamarca

E o que fazer por lá? Veja alguns dos lugares que visitamos e experiências que tivemos ao longo desses 5 dias na Dinamarca:

Dinamarca

Tivoli Garden/Park: existe desde 1834 e foi a fonte de inspiração para o Walt Disney criar a Walt Disney World, em Orlando. Abre na primavera, verão, halloween e Natal.

Castelo de Rosenborg: abriga uma coleção enorme de itens da monarquia dinamarquesa e vários tesouros da coroa.

Dinamarca

Bella Sky: é muito mais do que o maior hotel design da Dinamarca. É um complexo que possui vários restaurantes, bares, tem o maior centro de convenções de Copenhague, realiza ações de sustentabilidade, sociais, entre outros. Tudo isso sem abrir mão da beleza e modernidade.

Dinamarca

Heather Nissen, representante do Visit Denmark e Chef Anker Sorensen no Toverhallerne

Dinamarca

Aula de culinária e Toverhallerne: o Toverhallerne é uma espécie de mercado de alimentos de Copenhague. Tivemos a sorte de encontrar o Chef Anker Sorensen e fomos para a casa dele ter uma aula de culinária para aprender pratos da Nova Cozinha Nórdica. Sem duvida, uma das melhores experiências da viagem.

Dinamarca

Castelo de Frederiksborg: o maior palácio da Dinamarca e uma das mais belas construções do país. O castelo está localizado no norte da ilha Zelândia.

Museu de Arte Moderna Lousiana: em uma bela propriedade com um grande jardim, esculturas ao ar livre e diversas exposições – como a da Yoko Ono, que está exposta atualmente. Este museu a beira-mar lembra muito o estilo do brasileiríssimo Inhotim.

Dinamarca

Catedral de Roskilde: considerada a igreja mais importante do país, mais de 20 reis e rainhas se casaram nesta catedral. Além disso, boa parte da monarquia dinamarquesa – e pessoas de alto poder aquisitivo dos séculos passados – também foi sepultada ali.

Dinamarca

Museu de barcos Viking: com cinco barcos resgatados do fundo do mar, que datam da era Viking, esse museu constrói réplicas e permite que os visitantes conheçam todo o processo de fabricação, além de oferecer passeios até os fiordes a bordo dos barcos construídos no museu.

E isso foi só uma pequena introdução do que vivemos e que vamos trazer para vocês em breve. Aguardem! :)

Informações úteis:

Idioma: dinamarquês, mas praticamente todo mundo fala inglês fluentemente;

Moeda: coroa dinamarquesa;

Visto: funciona como e todos os países membros do espaço Schengen, o visto é concedido na imigração do aeroporto de entrada na Europa.

Saúde: assim como os demais países membros do espaco Schengen, o seguro saúde é obrigatório e precisa de uma cobertura de pelo menos 30.000 euros.

 

Diego Paiva viajou para a Dinamarca a convite do Visit Denmark.