Desde ontem o céu da capital está mais colorido. São diversos balões enfeitando a paisagem de Brasília no 3° Festival de Balonismo, que acontece até o dia 21 de abril, data de aniversário da cidade.

Os balões levantam voo no início da manhã, no horário entre 6h30 e 7h30, e no final da tarde, de 16h às 18h, período em que o vento está mais propício para a atividade. A competição segue o estilo fly in, no qual os competidores levantam voo cerca de 3km da Esplanada dos Ministérios e tentam arremessar a sua marca o mais próximo do alvo, que está localizado no gramado em frente ao Congresso Nacional.

Hoje pela manhã o céu nublado atrapalhou um pouco. Mesmo assim, foi um espetáculo!

Festival de Balonismo em BrasíliaFestival de BalonismoFestival de BalonismoFestival de Balonismo em BrasíliaFestival de Balonismo em Brasília Festival de Balonismo em BrasíliaFestival de Balonismo em BrasíliaFestival de Balonismo

Quem comparecer à Esplanada dos Ministérios, pode, além de observar os competidores, experimentar a sensação de voar gratuitamente. São os chamados “voos cativos“. O balão fica preso ao solo e os interessados podem ter uma visão da cidade a uma altura média de 50 metros, por alguns poucos minutos.

A fila para o voo cativo costuma ser grande, já que não faltam pretendentes querendo voar de balão pela primeira vez. Porém, isso não pareceu ser problema. Mesmo com fila, e mesmo só podendo disfrutar a emoção por alguns minutos, quem esperou desceu do balão com sorriso no rosto.

Festival de Balonismo em BrasíliaFestival de Balonismo em Brasília Festival de Balonismo em Brasília

Ficou com vontade? Hoje à tarde e amanhã também terá voos cativos. Os voos cativos acontecem depois das competições, por volta de 9h e às 16h30.

No sábado o destaque do festival é o Night Glow, um espetáculo em que os pilotos acendem as tochas de seus balões colorindo o céu da cidade também à noite. Será às 20h, também na Esplanada dos Ministérios. Aposto que será fantástico!

Feriado durante uma viagem pode ser sinônimo de festa ou marasmo.

Festa, se você der sorte de pegar um feriado animado como Carnaval em Veneza, Festa da rainha em Amsterdam, Comemoração do Ano Novo chinês, ou qualquer feriado na Bahia. Aí não falta programação. Em compensação, em outros feriados, especialmente os religiosos, a chance de pegar todo o comércio fechado e enfrentar um grande marasmo é grande. O que fazer nestes casos? Siga os locais! Foi o que fizemos em Madri.

1° de janeiro de 2013. Acordamos tarde depois da festa de Ano Novo em frente à Puerta del Sol. Mesmo ao meio-dia parecia que ninguém havia se levantado. Todo o comércio estava fechado. E quando digo todo é realmente todo. Nem os restaurantes ou cafeterias se arriscaram a abrir logo no primeiro dia do ano. Eram pouquíssimos os que estavam funcionando. Museu então… todos estavam fechados. Para fugir do tédio, seguimos a dica de um local e fomos passear no Parque del Retiro, um dos parques mais famosos de Madri.

O Parque del Retiro foi projetado para o gozo da arristocracia no século XVII. Anos mais tarde foi transformado em parque público e se tornou o parque mais popular entre os madrilenhos. E motivos não faltam para ter caído no gosto popular. O parque é uma graça. São várias alamedas, lagos artificiais, fontes, além de muitos artistas de rua e gente esparramada pela grama tomando sol.

Parque del RetiroParque del RetiroParque del RetiroJardim Buen RetiroParque del Retiro

E no inverno parece que tudo fica ainda mais bonito, com as árvores secas e algumas folhas teimando em resistir…

Parque del RetiroParque del RetiroParque del Retiro

No centro do parque fica um imponente monumento a Afonso XII, em bronze e mármore. Se o calor ajudar, dá até para encarar um pedalinho no lago em frente ao monumento.

Parque del Retiro

Outro destaque é o Palacio de Cristal, que foi construído para abrigar uma exposição de plantas exóticas, mas desde 1990 integra o Museu Reina Sofia e recebe de tempos em tempos exposições de arte.

Parque del RetiroParque del Retiro

O Palacio de Velázquez também faz parte do Museu Reina Sofia e recebe exposições. Mesmo se estiver fechado, não deixe de reparar nas abóbadas de ferro e vidro, e nas cerâmicas coloridas que formam diversos desenhos.

Parque del Retiro

Depois de caminhar, descanse em um dos vários cafés e aproveite para observar o movimento.

Parque del Retiro

Enfim, é um ótimo programa para adultos e crianças. Feriado ou não, faça como os locais: vá ao Parque del Retiro.

Informações úteis

O Parque del Retiro funciona diariamente de 6h às 22h. No verão, o funcionamento é estendido até a meia-noite.

End: Plaza de la Independencia, s/n. Há uma entrada bem próximo à Puerta de Alcalá. Os metrôs mais próximos são: Retiro (L2), Príncipe de Vergara (L2, L9), Ibiza (L9), Atocha (L1). O parque fica a uma curta caminhada do Museu do Prado. Combinar a visita ao museu com um passeio no parque pode ser um bom programa.

Mais informações aqui.

Todos os anos, do fim do mês de março até meados de abril, acontece a florada das cerejeiras (hanami sakurá ou cherry blossom, como preferir) no hemisfério norte. Como não podia deixar de ser, a Cidade Luz também é privilegiada com esse espetáculo da natureza.

As cerejeiras em Paris

Foto: Diego Paiva

Estivemos em Paris na primeira semana de abril de 2012 e conferimos ao vivo toda a beleza das cerejeiras em lugares conhecidos pela maioria dos turistas, como a Catedral de Notre Dame e a Torre Eiffel. Para deixar sua viagem a Paris ainda mais romântica e aproveitar o charme das cerejeiras, fique de olho nas ofertas do ClickOn. Lá você vai encontrar hotéis e pacotes com aéreo que podem fazer a diferença na sua viagem. Confira as ofertas para a França aqui.

As cerejeiras em ParisAs cerejeiras em Paris

Fotos: Diego Paiva

Além desses pontos citados acima, há outros lugares de Paris onde pode ser observada a florada das cerejeiras para celebrar o hanami, como o Jardim Albert Kahn, que fica localizado em Boulogne-Billancourt (estação Boulogne – Pont de Saint-Cloud, da linha 10 do metrô) e na Maison du Japon, localizada na Cité Internationale Universitaire de Paris (estação Cité Universitaire, do trem RER B).

As cerejeiras em Paris

Foto: Diego Paiva

Confira mais fotos das cerejeiras floridas em Paris aqui e aqui.

 

Selo Post Patrocinado

Pensava que era exagero quando as pessoas diziam que no Japão apenas poucas pesssoas falam inglês. Não é. Descobri isso logo no aeroporto de Haneda quando fui ao balcão de informações. O sotaque do atendente era tão carregado que fiquei na dúvida se ele estava falando inglês ou japonês. Se tive dificuldade no balcão de informações de um dos principais aeroportos do país, fiquei imaginando como seria no restante da viagem….

Felizmente, os japoneses são extremamente solícitos e atenciosos. Além disso, há placas e explicações em inglês por quase todos os lados, o que falicita muito. Assim, mesmo que a comunicação verbal não flua bem, é relativamente fácil se virar no Japão (à exceção de Tóquio, onde tive a sensação de estar perdida o tempo todo… rsrs).

Para não ter erro, o melhor conselho é antecipar-se aos problemas e fazer uma programação detalhada dos passeios, anotando, inclusive, o nome das atrações em japonês e como chegar até os lugares. Consultamos com frequência o site Japan Guide, que tem explicações em inglês sobre as atrações de várias cidades japonesas, além de detalhadas informações sobre transporte público. Foi o que nos salvou!

Aeroporto de Haneda

O aeroporto de Haneda, antes conhecido como Tokyo Internacional Airport, fica cerca de 30 minutos do centro de Tóquio. O aeroporto é enorme, moderno e um dos mais movimentados do país.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

Opções de transporte do Aeroporto de Haneda até o centro de Tóquio

Há diversas opções de transporte para ir do Aeroporto de Haneda até o centro de Tóquio: monorail, trem, ônibus (limousine bus) e táxi.

O transporte público japonês é extremamente eficiente, pontual e acessível. Por outro lado, o transporte privado – táxi, por exemplo – é extremamente caro. Uma corrida de táxi do aeroporto até o centro de Tóquio pode facilmente ultrapassar o valor de R$ 300, a depender do trânsito e do horário. Por isso, se o objetivo for economizar, opte sempre pelo transporte público. O sistema de metrô e trens não decepciona.

Monorail, trem ou ônibus, qual é a melhor opção? A resposta depende basicamente do local onde você estará hospedado em Tóquio. Nós, particularmente, optamos por pegar o monorail e depois continuar de metrô até a estação Tokyo Station, que ficava bem em frente ao hotel onde estávamos hospedados. Na volta, optamos pelo Limousine Bus que nos buscou no hotel e nos deixou no aeroporto de Narita.

A grande vantagem do ônibus (limousine bus) é a facilidade. Você pega o ônibus diretamente no aeroporto e eles te deixam na porta do hotel. Também há o conforto de não ter que se preocupar em carregar a bagagem, que é acondicionada no bagageiro do ônibus. Consulte aqui e aqui a lista dos hotéis onde os ônibus param. O preço é de ¥ 1.200 (adulto, cerca de R$ 24) e ¥ 600 (criança, cerca de 12). O percurso dura entre 35 e 75 minutos, a depender do trânsito.

No caso do monorail e trem, a grande vantagem é o tempo da viagem. Os trens passam com bastante frequência e você não sofre com os engarrafamentos bem comuns em Tóquio. A desvantagem é que você terá que carregar a sua bagagem dentro do vagão e possivelmente terá que fazer uma ou mais baldeação de trem. Meu conselho? Somente vá de trem/metrô se tiver pouca bagagem e se for utilizar o transporte fora dos horários de pico (nos horário de pico os trens ficam abarrotados de gente).

Para ir do aeroporto de Haneda até a estação Tokyo Station gastamos ¥ 620 por pessoa (cerca de R$ 12). O percurso durou 30 minutos. Quem tiver o passe de trem Japan Rail Pass pode utilizar o passe para fazer esse percurso, sem necessidade de pagamento adicional.

De monorail e metrô até a Tokyo Station

De início, pode parecer complicado utilizar o monorail e o metrô, mas não é. Quem já andou anteriormente de metrô, terá facilidade. É só entender o jeitão do metrô japonês e não se assustar com a infinidade de estações de trem/metrô que existem.

Ao desembarcar, siga as placas que indicam o caminho até monorail. Qualquer dúvida, há vários balcões de informação no caminho.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo StationDo Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

Se você tiver o Japan Rail Pass, você poderá utilizá-lo para fazer o trajeto de monorail e depois, se o caso, para continuar no trem da linha JR. Para isso, antes de entrar no monorail, é necessário que você troque o comprovante de pagamento do passe pelo cartão em si, que somente é entregue em alguns postos da JR no Japão (exchange offices). Consulte a lista de endereços onde é possível efetuar a troca do passe, chamados de Japan Rail Pass Exchange Offices. No aeroporto de Haneda, a troca é feita no Tokyo Monorail 2F Ticket Gate/Arrival Lobby, apenas no horário de 11h às 18h.

Como nosso voo chegou fora do horário de funcionamento do Exchange Office, o jeito foi comprar o bilhete do monorail e do trem. Os tickets são comprados diretamente na máquina e há uma versão dos comandos em inglês.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

Tudo é bem simples. Basta clicar no símbolo dos “bonequinhos” que indicam o número de passageiros e depois clicar no item Monorail Ticket. Se quiser, já dá para comprar o ticket para a baldeação seguinte (transfer ticket). O ticket do monorail até a estação Hamamatsucho custa ¥ 470 (cerca de R$ 9). O pagamento é feito apenas com dinheiro e moedas. Cartão de crédito não é aceito.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

O monorail funciona de 5h17 até 0h10, e passa, em média, a cada 5 minutos. Consulte os horário aqui.

Ao ingressar na estação, basta acompanhar os letreiros (em japonês e inglês) indicando o horário dos próximos trens.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo StationDo Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

Quando utilizamos o monorail o vagão estava bem vazio e havia local próprio para deixar a bagagem.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

O trajeto até a estação Hamamatsucho dura em torno de 20 minutos. De lá, é possível fazer baldeação para as linhas JR Yamanote Line e JR Keihin-Tohoku Line.

Monorail

Foto: Reprodução. http://www.tokyo-monorail.co.jp/english/guidance/index.html

Haneda Airport

Foto: Reprodução. http://www.japan-guide.com/e/e2430.html

 

Ao desembarcar na estação Hamamatsucho, basta seguir as placas indicando as linhas JR para fazer a baldeação.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

No nosso caso, seguimos pela linha Yamanote Line até a Tokyo Station. Compramos novamente o bilhete do trem (¥ 150, cerca de R$ 3) e seguimos viagem.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo StationDo Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

O trem estava mais cheio que o monorail, mas longe de estar lotado. Contudo, não havia lugar específico para deixar a bagagem. Só um pequeno compartimento para bagagem de mão em cima dos assentos.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

Resumindo, foi tranquilo utilizar o monorail e o trem para deixar o aeroporto de Haneda. Gostei e recomendo. A dica é apenas se programar com antecedência para saber de antemão o trajeto.

Outro ponto fundamental: antes de viajar, já saiba qual a estação mais próxima do seu hotel. O sistema de trem e metrô de Tóquio é assustador. São estações que não acabam mais. Clique aqui para ver com mais detalhes as estações de trem da foto. Se você já souber qual a estação (a linha) de trem mais próxima, fica tudo mais fácil.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

O preço da tarifa do trem é calculada de acordo com a distância. Logo no início da estação há um mapa com os valores a serem pagos (são os números da fotos abaixo). Se ficar na dúvida do valor, pode comprar a menor tarifa. Ao deixar a estação, a catraca irá apitar e você faz o ajuste do valor.

Do Aeroporto Haneda até a Tokyo Station

Também não se esqueça de anotar o nome da saída da estação mais próxima do seu hotel, já que cada estação tem inúmeras saídas, algumas em sentidos completamente opostos.

Descobrimos o restaurante La Bulla por acaso. Não tínhamos indicação, nem qualquer referência. Saímos do show de flamenco no Tablao El Arenal e vimos um burburinho em frente ao restaurante. Resolvemos olhar para ver do que se tratava e logo decidimos ficar.

O restaurante estava lotado. Como não tínhamos reserva, tivemos que aguardar cerca de vinte minutos para conseguir uma mesa. Aproveitamos para assimilar o visual tão inusitado do restaurante. Galos pintados nas paredes, tubulação aparentes, luminárias de papel, mesas e cadeiras de diferentes estilos, e objetos curiosos pendurados no teto… um ambiente único e bem descontraído.

Restaurante La BullaRestaurante La Bulla

A nossa mesa ficava estrategicamente posicionada em frente à cozinha aberta, de onde podíamos ver a cozinha em ação.

Restaurante La Bulla

Logo que fomos atendidos, o garçom já perguntou se éramos brasileiros e começou a conversar em português. Ele também era brasileiro. De Goiânia. Tinha saído do Brasil e estava tentando a vida na Espanha. Eles nos explicou a ideia do restaurante e também  indicou alguns pratos.

O La Bulla é um bar de tapas – os autênticos petiscos espanhóis. São pequenos pratos que podem ser servidos antes das refeições ou mesmo como substitutos do prato principal. A ideia é apreciar as tapas em grupo, compartilhando um pouco dos vários pratos com os amigos. Assim, dá para experimentar um pouquinho de tudo.

O cardápio e os preços ficam escritos em um quadro negro na parede do restaurante.

Restaurante La BullaRestaurante La BullaRestaurante La Bulla

Começamos com o couvert (cubiertos, em espanhol): azeitonas, pães e uma castanha de típica da Espanha, além de um vinho tinto espanhol (€ 18).

Restaurante La Bulla

Em seguida, provamos as trompetas de langostinos (€ 4,60), que são lagostim empanados  com uma apresentação super divertida.

Restaurante La Bulla

Depois provamos o arroz cremoso com cogumelos (arroz meloso com setas, € 5,60),

Restaurante La Bulla

o lombo de cervo com salada verde (lomo de venado, € 7,90) e

Restaurante La Bulla

um camarão gigante temperado com sal (langostino jumbo a la sal, € 7,90).

Restaurante La Bulla

Sem exageros, tudo estava delicioso! Fantástico! Foi o melhor restaurante de toda a nossa última viagem pela Espanha!

O atendimento foi impecável. A criatividade, assim como a combinação de texturas e sabores nos surpreendeu. O preço também agradou. A conta para duas pessoas com uma garrafa de vinho e água saiu por € 53, menos de R$ 140.

Restaurante La Bulla

La Bulla - Calle 2 de Mayo, 28, Sevilha, [email protected]

Para quem gosta de cinema e teatro, aqui está uma grande oportunidade para ver de perto o mega astro hollywoodiano Tom Hanks pela primeira vez na Broadway, em Nova York.

A peça de nome Lucky Guy estreou no último dia 1º de abril, mas ainda dá tempo para assistir, já que o espetáculo fica em cartaz até dia 16 de junho.

Lucky Guy

Foto: Reprodução. www.theatermania.com

A peça conta a história do repórter e colunista Mike McAlary, vivido por Tom Hanks, que trabalhava para jornais sensacionalistas de Nova York na década de 80 e ganhou um prêmio Pulitzer por uma investigação sobre um caso de policiais corruptos na cidade.

Ainda não tivemos a oportunidade de conferir a atuação do astro, mas os elogios ao ator já pipocaram na imprensa do mundo inteiro. Se você quiser conferir o espetáculo pessoalmente, vale a pena aproveitar as ofertas do ClickOn para programar sua viagem e hospedagem para Nova York por um preço interessante. Veja uma seleção de ofertas para os Estados Unidos aqui.

As apresentações ocorrem no Broadhurst Theatre (235 West 44th Street, entre a Broadway e 8th Avenue) de terça a domingo. Os ingressos podem ser adquiridos on line e custam de USD 87 a USD 350. Para quem topar ficar em pé durante o show, há a opção de ingressos por USD 27, que podem ser comprados diretamente na bilheteria do teatro, mas somente se a casa estiver cheia. Mais informações pelo site www.luckyguyplay.com

 

Selo Post Patrocinado