Kinkaku-ji: o templo de ouro de Kyoto

Kyoto é uma das cidades japonesas mais interessantes. Por vários séculos, foi a capital do país, residência do imperador e o centro cultural do Japão.

Palácios, templos e toris (portais de madeira que indicam os ambientes sagrados), herança da riqueza e tradição japonesa, estão por toda parte. Por isso, não é de se estranhar que Kyoto seja conhecida como a “cidade dos mil templos”. Contudo, essa é apenas uma expressão de linguagem. Não existem mil templos por lá. Existem, ao contrário, muito mais. Calcula-se que o número seja entre dois e três mil templos budistas e santuários xintoístas.

Com tantos templos e santuários, fica até difícil escolher quais visitar. Os mais famosos e procurados pelos turistas são o Kinkaku-ji, Kiyomizudera e Ginkaku-ji, considerados patrimônio mundial pela UNESCO.

O templo zen budista Kinkaju-ji, um símbolos da cidade de Kyoto, é imperdível! A foto do Pavilhão Dourado com o reflexo na água é um clássico!

Kinkakuji Temple

O pavilhão foi construído em 1397 pelo xogun Yoshimitsu Ashikaga (xoguns eram os comandantes dos exércitos. Detinham o poder real, por indicação do Imperador. Eram poderosos e influentes). Após a sua morte, o local foi convertido em templo.

Para visitar o templo, é necessário pagar uma taxa de ¥ 400, cerca de R$ 8,50 (adultos) e ¥ 300, cerca de R$ 6,40 (menores de 7 a 15 anos).

Kinkaku-ji Temple

Logo na entrada há um mapa do complexo, com a indicação do templo, jardins, lojinhas e tea garden.

Kinkaku-ji Temple

Os jardins impressionam desde o início.

Kinkaku-ji TempleKinkaku-ji Temple

Depois de uma curta caminhada, vença o grupo de turistas sempre presente no local e consiga um espaço em frente ao lago Kyōko-chi para tirar as melhores fotos do templo.

Kinkaku-ji Temple

Não é difícil achar um bom ângulo. O tempo é bem fotogênico.

Kinkaku-ji TempleKinkaku-ji TempleKinkaku-ji Temple

Na primavera e no outono é bem comum ver grandes grupos de japoneses visitando as atrações turísticas locais. Portanto, prepare-se para se deparar com multidões. São, em geral, crianças e senhores da melhor idade. As crianças adoram interagir. Quando percebem que alguém não tem olhinhos puxados, começam logo o diálogo. Em inglês, claro. Escutamos diversas diversas vezes  “Hi”, “Hello”, “How are you?”.

Kinkaku-ji Temple

Voltando ao templo, não deixe de contemplar sua beleza arquitetônica. Os três andares tem diferentes estilos arquitetônicos, mas compõem um resultado final absolutamente harmônicos. O templo já sofreu vários incêndios e sua estrutura atual foi reconstruída em 1955.

Kinkaku-ji Temple

O andar térreo tem estruturas de madeira e gesso branco bem diferente dos andares superiores, que são totalmente cobertos por folhas de ouro. No segundo andar, a fachada é em estilo bukke, construção predominante nos castelos samurais. Já o último andar tem inspiração em um salão chinês. No topo do templo, fica uma fênix dourada.

Não é possível a entrada no templo. Então o jeito é tentar olhar atentamente a varanda do primeiro andar para observar as estátuas budistas em seu interior.

Depois de observar o templo, o passeio continua pelos belos jardins, que ainda mantém os projetos originais da época do xogum Yoshimitsu Ashikaga. Há muito verde, água e pedras.

Kinkaku-ji Temple

No caminho pare para observar o Fudo Hall, que é um pequeno templo, e a Casa de Chá Sekkatei. Na saída há lojinhas de souvenirs e lanchonetes.

Kinkaku-ji Temple

Fudo Hall

Como chegar

O templo Kinkaku-ji fica afastado da região central de Kyoto, onde está a Kyoto Station. Para chegar até lá, é possível ir de metrô, ônibus ou táxi.

Optamos por ir de ônibus para evitar as baldeações do metrô. Foi extremamente fácil. Os ônibus japoneses são pontuais, seguros, confortáveis e tem explicações em inglês. Há, inclusive, um letreiro no interior do ônibus indicando qual a próxima parada e a atração turística que pode ser visitada no local. Não tem como errar!

As linhas de ônibus que chegam até ao templo são a Kyoto City 101 ou 205. Pegamos o ônibus 101 que sai da Kyoto Station. Na parada de ônibus há explicações com relação ao horário e trajeto.

Kinkaku-ji TempleKinkaku-ji TempleKinkaku-ji TempleKinkaku-ji Temple

O trajeto dura em torno de 40 minutos e custa ¥ 220, cerca de R$ 4,20. O pagamento diretamente ao motorista, no valor exato. Caso não tenha trocado, há uma máquina no interior do ônibus que troca o dinheiro. A entrada é feita pela porta dianteira e a saída pela porta traseira.

Kinkaku-ji Temple Kinkaku-ji Temple

O templo fica na penúltima estação. Ao desembarcar, é só seguir as placas indicando o caminho até o templo. São cerca de cinco minutos de caminhada.

Kinkaku-ji Temple

Informações úteis

O templo funciona diariamente de 9h às 17h. O valor da entrada é de ¥ 400 (adulto).

Para mais informações sobre o templo, recomendo as dicas do Japan Guide e os textos da Mari Vidigal, autora do blog Ideias na Mala, que tem ótimas dicas do Japão.

Para continuar o passeio após visitar o Kinkakku-ji, uma sugestão é seguir para o Nijo Castle. Uma das paradas do ônibus 101 de volta à Kyoto Station é em frente ao castelo.

Kinkaku-ji no Brasil?

Pesquisando na internet, vi que há uma réplica do templo Kinkaku-ji na cidade de Itapecerica da Serra, no interior de São Paulo. Se for bonito como o templo original, deve ser um bom passeio!

Ficou curioso? Vale a pena conferir as fotos do blog Etenraku – Música Clássica Japonesa.

Siga o Nós no Mundo no Twitter: @nosnomundo

Siga o Nós no Mundo no Periscope - @nosnomundo.

No Instagram: @nosnomundo

E curta a nossa fanpage no Facebook: facebook.com/nosnomundo

Planeje sua viagem com a gente

Reserve seu hotel utilizando o Booking.com. Menor preço garantido! Se encontrar tarifa mais barata, eles reembolsam a diferença.

Alugue seu veículo com a RentalCars, a maior empresa on-line de aluguel de carros do mundo, e tenha o menor preço garantido!

Reserve uma casa pelo Airbnb e ganhe desconto no primeiro aluguel.

Compre moeda estrangeira com a Cotação. É seguro e você ganha descontos exclusivos!

* Reservando com os nossos parceiros através do Nós no Mundo, nós recebemos uma pequena comissão. Você não paga nada a mais por isso e, de quebra, ainda ajuda o Nós no Mundo a estar sempre atualizado.

Sobre Anna Bárbara

É louca por viagens! Nem acaba de chegar de uma viagem e já está pensando nas próximas (no plural, é claro!). Tem o passaporte carimbado em mais de 20 países e é apaixonada pela Ásia, ou melhor, por todos os destinos exóticos. Qual a melhor viagem? "Não há dúvida", diz ela, "a melhor viagem é sempre a próxima".

Deixe seu comentário:





* Campos de preenchimento obrigatório

** Ao enviar o seu comentário, você estará automaticamente concordando com a nossa Política de Comentários.