Amanhecer no alto do vulcão Mount Batur: trekking em Bali!

Eram 2h30 da madrugada quando nosso motorista chegou para nos buscar em Ubud. Estava de noite e o sono somente foi vencido pela possibilidade de subir o vulcão ativo Mount Batur para ver o nascer do sol.

Seguimos de carro por cerca de uma hora até chegar a uma pequena vila. Como ainda estava muito escuro, não conseguimos identificar onde estávamos. Encontramos o guia que nos acompanhou até o alto vulcão e cada um recebeu uma lanterna. Não víamos nada além da pequena faixa de terra que a lanterna iluminava. Era um breu total!

Começamos a caminhada e a primeira fase do percurso foi bem tranquila. O terreno era firme, pouco íngreme e havia uma espécie de trilha em meio à vegetação. O leve frescor da madrugada ainda ajudava, deixando o clima mais ameno.

Depois de cerca de 30 minutos de caminhada noite adentro, o terreno ficou acidentado e a subida íngreme. Tínhamos que ter cuidado com as pedras soltas e nos esforçar para vencer a subida. Como não utilizávamos tênis para trilha, tudo ficou mais difícil.

Durante toda a subida não conseguimos ver o cume do vulcão. Víamos apenas os feixes de luz das lanternas dos outros grupos que também subiam o vulcão.

O leve frescor da madrugada deu lugar a um calor quase insustentável. Estávamos encharcados de suor!

A falta de preparo físico fez com que parassemos algumas vezes durante a subida para um rápido descanso. Por vezes, hesitamos. Pensamos em desistir, mas… conseguimos! Cerca de 2 horas depois estávamos no alto do vulcão.

O sol ainda não havia aparecido e as nuvens cercavam tudo a nosso redor.

Amanhecer no vulcão Mount Batur

Chegamos bem a tempo do espetáculo! E que espetáculo!

Amanhecer no vulcão Mount Batur Amanhecer no vulcão Mount Batur Amanhecer no vulcão Mount Batur Amanhecer no vulcão Mount Batur Amanhecer no vulcão Mount Batur

Para melhorar, as nuvens foram se dissipando e conseguimos ver o Lago Batur bem aos pés do vulcão Mount Batur, ou Gunung Batu, como os locais chamam.

Amanhecer no vulcão Mount Batur

Todos os turistas buscavam o melhor ângulo e não continham as fotos.

Amanhecer no vulcão Mount Batur

Ali mesmo tomamos nosso café da manhã: ovo cozido, pão, geléia, banana e café. Tudo providenciado pelo guia.

Amanhecer no vulcão Mount BaturAmanhecer no vulcão Mount Batur

Como o vulcão Batur é ativo, dá para ver a fumaça a saindo do meio das pedras. E a adrenalina aumenta ao chegar próximo da cratera, embora não dê para ver muita coisa.

Na hora de descer, a lua ainda nos acompanhava…

Amanhecer no vulcão Mount Batur

Só então conseguimos ver o caminho que fizemos e a beleza da região.

Amanhecer no vulcão Mount Batur Amanhecer no vulcão Mount Batur

Já no carro, vimos de longe o imponente Mount Batur. Saímos com a sensação de vitória e com a certeza de que fizemos um dos passeios mais incríveis de Bali.

Mount BaturAmanhecer no vulcão Mount Batur

No caminho de volta para o hotel, o nosso motorista (e guia) ainda nos levou para conhecer dois lugares que não estavam previstos inicialmente no roteiro. O primeiro foi uma espécie de fazenda chamada Satria Agrowisata, onde há várias plantas típicas da Indonésia e uma loja que vende chás e cafés da região. Ali conhecemos o famoso café balinês Kopi Luwak, considerado o café mais caro do mundo.

Amanhecer no vulcão Mount Batur

Amanhecer no vulcão Mount Batur

O produção do Kopi Luwak é bastante peculiar. Os grãos do café são recolhidos das fezes do luwak, um animal que vive na Indonésia (foto abaixo). Só então é cuidadosamente lavado, secado e torrado. Dizem que as enzimas do aparelho digestivo desse animal provocam uma transformação do grão, deixando o café com um gosto especial e diferenciado. Quem quiser experimentar, há degustação (paga) no local.

Amanhecer no vulcão Mount Batur

Na sequência, paramos na vila de Tegallalang, próxima a Ubud, para apreciar o arrozal mais bonito que visitamos em Bali. Gostamos tanto que voltamos lá outro dia para aproveitar o visual com mais calma. Depois escrevo os detalhes em outro post.

Amanhecer no vulcão Mount Batur

Chegamos no hotel por volta de 10h, felizes e extasiados!

Informações sobre o tour:

Fizemos o passeio com a empresa Jegeg Bali Cycling Tour. Escolhemos essa empresa por indicação do hotel onde estávamos hospedados em Ubud e também pela ótima classificação no Trip Advisor.

Gostamos bastante do serviço. Eles foram bastante pontuais e atenciosos. Além disso, incluíram os últimos passeios, sem custo adicional. Recomendamos!

O preço acertado foi de IDR 600.000 (cerca de R$ 113), por pessoa, para o tour privado. No valor está incluído o transporte, o guia para acompanhar a subida do vulcão, café da manhã e água. Para o tour coletivo, o valor seria de IDR 500.000, cerca de R$ 94. Os preços referem-se ao mês de outubro/2011. O pagamento só é feito em dinheiro. É conveniente agendar o passeio com antecedência.

Quanto às roupas, recomendo utilizar roupas leve, por conta do calor na subida. Leve uma jaqueta corta-vento, pois venta demais no alto do vulcão e acaba ficando frio. Repelente, filtro solar, óculos escuros e boné são itens esssenciais. Se tiver botas próprias para trilha, melhor. Facilita o percurso. Se não, serve o tênis ou o All Star velho de guerra.

Não é necessário ter grande preparo físico. Nós, com pouco ou nenhum preparo, conseguimos. Saiba, contudo, que será uma longa caminhada morro acima.

Bom passeio!

Siga o Nós no Mundo no Twitter: @nosnomundo

Siga o Nós no Mundo no Periscope - @nosnomundo.

No Instagram: @nosnomundo

E curta a nossa fanpage no Facebook: facebook.com/nosnomundo

Planeje sua viagem com a gente

Reserve seu hotel utilizando o Booking.com. Menor preço garantido! Se encontrar tarifa mais barata, eles reembolsam a diferença.

Alugue seu veículo com a RentalCars, a maior empresa on-line de aluguel de carros do mundo, e tenha o menor preço garantido!

Reserve uma casa pelo Airbnb e ganhe desconto no primeiro aluguel.

Compre moeda estrangeira com a Cotação. É seguro e você ganha descontos exclusivos!

* Reservando com os nossos parceiros através do Nós no Mundo, nós recebemos uma pequena comissão. Você não paga nada a mais por isso e, de quebra, ainda ajuda o Nós no Mundo a estar sempre atualizado.

Sobre Anna Bárbara

É louca por viagens! Nem acaba de chegar de uma viagem e já está pensando nas próximas (no plural, é claro!). Tem o passaporte carimbado em mais de 20 países e é apaixonada pela Ásia, ou melhor, por todos os destinos exóticos. Qual a melhor viagem? "Não há dúvida", diz ela, "a melhor viagem é sempre a próxima".

Deixe seu comentário:





* Campos de preenchimento obrigatório

** Ao enviar o seu comentário, você estará automaticamente concordando com a nossa Política de Comentários.