Templos em Bali: preste atenção quando falarem cuidado com os macacos!

Era de manhã quando chegamos ao templo Uluwatu. Estávamos de carro, com o motorista que contratamos no dia anterior. O local estava vazio e apenas poucas pessoas se encontravam na entrada.

Templo Uluwatu

Antes de ingressar na área do templo, todos precisam colocar um sarong, uma roupa típica balinesa, que se assemelha a uma saia. Homens ou mulheres, sem distinção, devem utilizar a vestimenta em sinal de respeito aos deuses.

De acordo com os costumes locais, as partes “não sagradas” do corpo (cintura e pernas) devem estar cobertas. O sarong somente não é necessário quando a pessoa está de calça. Nesse caso, basta colocar apenas um espécie de faixa ao redor da cintura chamada de sash. Muito templos, como é o caso de Uluwatu, emprestam sarongs e sashes aos turistas.

Depois de vestidos adequadamente, nosso motorista nos disse para guardarmos todos os colares, brincos, anéis, óculos e chapéus. Essa mesma recomendação também estava escrita em um placa na entrada do templo em diversos idiomas, inclusive em português. Dizia: “tire seus chapéus, brincos e óculos. Cuidado com os macacos no templo.”

Dito e feito. Guardei o brinco no bolso da bermuda e tirei os óculos, segurando-os na mão. O Fred fez o mesmo.

Depois de pagarmos a taxa de entrada no local, fomos abordados por vários vendedores e guia. No meio da confusão gerada pela dificuldade de comunicação, acabei, mesmo sem querer e saber, comprando um cacho de banana. Dei apenas uns passos e já vi dezenas de macacos vindo em minha direção ávidos pelas bananas. Devolvi imediatamente a banana e os macacos foram em direção ao vendedor…

Em Bali os macacos são considerados sacrados. Acredita-se que eles protegem os templos contra os maus espíritos. E em Uluwatu existem centenas e centenas deles!

Templo Uluwatu

Até aí eu achava que os macacos somente mexiam com os turistas que estavam com cachos de bananas….

Não andamos nem cinco metros e um macaco veio por trás e tomou os óculos escuros que o Fred carregava nas mãos. Levamos o maior susto! Para conseguir recuperar os óculos, foi uma dificuldade. Tivemos que correr atrás do macaco e comprar um novo cacho de bananas para trocá-las pelos óculos. Demoramos mais de 5 minutos nas negociações com o macaco!!

Hoje parece hilário, mas na hora… Preciso dizer que os óculos eram novinhos e ficaram bem estragados depois do passeio com o macaco??!!

Depois disso, voltamos até a entrada do templo e contratamos uma espécie de “guia” que, na verdade, serve para afastar os macacos de perto dos turistas. Fica aqui a dica: não leve nada nas mãos (bolsa, câmera fotográfica… nada!) e contrate o guia. A menos que você queira brincar com os macacos…

Templo Uluwatu

Após contratarmos a “guia”, não tivemos mais problemas com os macacos. Ela andava com um estilingue e simulava que iria atirar. A simples ameaça com o estilingue já era suficiente para afastá-los. Ela sequer andava com uma pedra. Vimos, contudo, outros turistas sendo alvo das brincadeiras dos macacos. Eles são bonitinhos, mas muito atrevidos!

Mesmo com os infortúnios, valeu a visita. A vista do templo é belíssima!

Uluwatu, ou melhor, Pura Uluwatu significa templo de pedra. O templo foi construído no alto de um penhasco em frente ao Oceano Índico. Sua posição foi estrategicamente pensada para proteger a ilha dos maus espíritos do sudeste.

Templo Uluwatu

Templo Uluwatu

Não é permitida a visitação ao templo propriamente dito, salvo em algumas cerimônias especiais. Dá apenas para avistar sua silhueta e algumas das estátuas na entrada.

Templo UluwatuTemplo Uluwatu

A vista do penhasco é espetacular!

Templo UluwatuTemplo Uluwatu

Vimos até uma tartaruga, que, segundo os costumes locais, traz sorte.

Templo Uluwatu

Dizem que o pôr do sol em Uluwatu é belíssimo! Imagino até que essa seja a melhor hora para visitar o templo, especialmente porque quando o sol começa a baixar, por volta de 18h, ocorre uma apresentação de kecak, uma típica dança balinesa. Deve ser um duplo espetáculo!

O Templo fica cerca de 1 hora de distância de carro de Seminyak, a depender do trânsito. Fica aberto ao público diariamente de 9 às 19h. As apresentações de kecak são diárias. Para o ingresso na área do templo é cobrada uma taxa de 3.000 rúpias, menos de R$ 1. Os guias cobram em torno de 50.000 rúpias, cerca de R$ 10. Não vimos lanchonetes no local e os banheiros são extremamente precários.

Siga o Nós no Mundo no Twitter: @nosnomundo

Siga o Nós no Mundo no Periscope - @nosnomundo.

No Instagram: @nosnomundo

E curta a nossa fanpage no Facebook: facebook.com/nosnomundo

Planeje sua viagem com a gente

Reserve seu hotel utilizando o Booking.com. Menor preço garantido! Se encontrar tarifa mais barata, eles reembolsam a diferença.

Alugue seu veículo com a RentalCars, a maior empresa on-line de aluguel de carros do mundo, e tenha o menor preço garantido!

Reserve uma casa pelo Airbnb e ganhe desconto no primeiro aluguel.

Compre moeda estrangeira com a Cotação. É seguro e você ganha descontos exclusivos!

* Reservando com os nossos parceiros através do Nós no Mundo, nós recebemos uma pequena comissão. Você não paga nada a mais por isso e, de quebra, ainda ajuda o Nós no Mundo a estar sempre atualizado.

Sobre Anna Bárbara

É louca por viagens! Nem acaba de chegar de uma viagem e já está pensando nas próximas (no plural, é claro!). Tem o passaporte carimbado em mais de 20 países e é apaixonada pela Ásia, ou melhor, por todos os destinos exóticos. Qual a melhor viagem? "Não há dúvida", diz ela, "a melhor viagem é sempre a próxima".

Deixe seu comentário:





* Campos de preenchimento obrigatório

** Ao enviar o seu comentário, você estará automaticamente concordando com a nossa Política de Comentários.